27/04/2020

Respirador desenvolvido em Piedade do Rio Grande

O projeto foi desenvolvido em Piedade do Rio Grande (MG) onde o engenheiro possui um laboratório.  Tem como base um ambu, um respirador manual usado em primeiros socorros.

Possui um motor de corrente contínua,  onde César projetou um dispositivo eletrônico que permite o controle da frequência respiratória.

Primeiramente fez a montagem das peças maiores em madeira como molde que foram fabricadas em seguida por um serralheiro.

A Revista Imagem indagou ao engenheiro sobre as certificações junto ao Inmetro e Anvisa. César explicou que é um processo muito demorado e caro. Não está interessado de momento na venda do equipamento e sim de garantir aos seus familiares mais idosos uma alternativa caso precisem de respiradores por conta da pandemia de COVID-19.

Inclusive seu pai encomendou mais duas unidades e lhe deu autorização para que, juntamente com os médicos da família, usem o equipamento que já foi inclusive testado por eles com sucesso.

César acrescentou que o ambu que está usando possui certificações e até entrada para ligar ao oxigênio. É um dispositivo de uso hospitalar muito comum, o que ele fez foi motorizar e acrescentar um controle eletrônico de modo que o médico tenha facilidade para calibrá-o.

O motor que foi usado é de baixo custo e foi adaptado a partir de outro tipo de motor.

O circuito eletrônico tem como base um microcontrolador ATmega para controlar o motor e informar em um display LCD.

A frequência é modificada através de um potenciômetro ligado a um conversor analógico, digital do microcontrolador.

O acionamento do motor usa um chip de potência com 2 pontes H, que permite  ligar desligar sem uso de relés, diminuindo falhas que acontecem em desgastes de contatos.

O sistema também possui um sinal sonoro e luminoso que dispara caso as respostas mecânicas não correspondam exatamente ao comando.

Comente esse artigo! Use também o botão COMPARTILHAR logo acima.

Clima

booked.net